Artigos

Artigos resume um pouco da procura profissional da psicóloga Rosa Cukier. Ela sempre se interessou por questões ligadas ao abuso infantil,desordens de personalidade narcísicos e borderlines e como estas questões influenciam o exercício pessoal e profissional na vida adulta.

Os seres humanos exercem um enorme poder uns sobre os outros, um poder de vida ou morte. Do ponto de vista fisiológico , os seres humanos se reproduzem de forma muito semelhante a todos os animais mamíferos e, nascem quando saem do útero materno. Do ponto de vista psicológico, entretanto, sua reprodução é totalmente original e peculiar. Psicológicamente o ser humano nasce aos poucos e nem sempre totalmente, dependendo de sua garra pessoal e da sorte de encontrar pais que saibam administrar suas necessidades básicas.
Por necessidades básicas entendendo aquelas das quais depende a sobrevivência física e psicológica da criança, e elas são de duas ordens:

– FÍSICAS – o bebê humano nasce extremamente frágil necessitando de cuidados físicos ( alimentação, higiene, saúde, calor, estimulação tátil, etc.) sem os quais morre. O foco é sobre o Quê é feito à criança.

-EMOCIONAIS- a necessidade emocional básica do ser humano e sem a qual ele não sobrevive Psicológicamente é a necessidade de dependência, de poder contar com o outro. O bebê humano nasce completamente despreparado e só será autônomo, com recursos internos com os quais possa contar, depois de muitos anos ( na classe média de nossa cultura urbana, só após a adolescência). Aqui o que importa não é ter as necessidades físicas atendidas, mas Como isto é feito.
Além disso , a primeira etapa de nossa vida é pré-verbal e tudo o que ocorre conosco depende da decodificação verbal e emocional que nossa mãe/ ou cuidador fizer. Sem alguém que possa espelhar nossas necessidades e emoções não teremos jeito de saber quem somos. Por outro lado a forma como esta pessoa decodifica nossas mensagens acaba constituindo aquilo que somos, e ela o faz de acordo com seu próprio patrimônio de vivências emocionais.

Este primeiro cuidador ou cuidadores funcionam como uma espécie de ponte relacional entre a criança e o mundo e ocupam, num primeiro momento o lugar que o” EU”* da criança ocupará mais tarde. Nós somos ” NÓS” antes de sermos “EU”, ou seja é o relacional, sobretudo a relação que estabelecemos com os nossos primeiros cuidadores, a pedra inaugural da nossa identidade ( Erikson,E.,:1976) ** e também refletirá quais serão as nossas expectativas de relacionamento com o mundo .

Crianças abusadas nestes cuidados básicos e fundamentais são como bomba relógio para o futuro. O abuso repercutirá por toda a sua vida pessoal e profissional.