COMO SOBREVIVEM EMOCIONALMENTE OS SERES HUMANOS? menininha e poema

                                  

INTRODUÇÃO

Já há algum tempo, tenho me deparado com algumas questões  clínicas que instigaram a minha curiosidade e resultaram no trabalho que ora estou apresentando.

A primeira destas questões se refere ao fato de que após algum tempo de terapia, podemos perceber que existem algumas cenas nucleares, que tal como um imã, parecem sugar as associações do paciente. Como se fossem cenas matrizes, aonde algo fundamental se estruturou enquanto defesa de uma situação traumática primeiro, e, com o uso e o passar dos anos, acabou fazendo parte da identidade básica e do caráter do paciente.

Vou descrever, brevemente,  quatro casos clínicos para exemplificar o  ponto que estou tentado focar:

Pac. A – bem sucedido empresário de 34 anos, deprimido por problemas no casamento. Queixa-se que, desde o nascimento do seu primeiro e único filho, a esposa não lhe dá toda atenção que quer. Tem acessos de violência física que não consegue conter, aonde arrebenta objetos da casa e chega a bater na esposa.  Numa das cenas que freqüentemente traz com suas associações, é de madrugada, tem 5 anos , ouve o pai bater na mãe; em outra cena, tem 4 anos, a mãe está cozinhando e ele fica atrás dela, querendo colo. Os irmãos mais velhos riem dele, chamando-o de ” maricas “.(sic)

Pac. B- 25 anos. É uma mulher extremamente bonita  que vive num quase total isolamento social, queixando-se de depressão e de perseguição por parte colegas, que rivalizam com ela. Profissionalmente, nunca fica nos empregos pois, sente uma compulsão a paquerar os chefes, com quem namora um pouco e é mandada embora. Diz que quer casar e ser rica.

Dentre as cenas nucleares que traz destaco duas: Na primeira, tem 6 anos, mora com os avós maternos e sua mãe, que é mãe solteira e empregada doméstica, vem visitá-la no domingo. Estão todos à mesa e a mãe se põe a querer lhe ensinar bons modos à mesa, modos que ela aprende na casa dos patrões. A paciente se sente inferiorizada diante destas pessoas que a mãe admira. Na segunda cena, tem 5- 6 anos e vai pedir a bênção para o avô, antes de dormir. Ela sabia que o avô não lhe daria a bênção pois, ele sempre dizia que jamais abençoaria a filha bastarda de uma  mãe que não prestava. Nesta cena o avô novamente a humilha, repetindo o maltrato.

Pac. C- sexo masculino, 27 anos, há 5 em terapia. Apresenta dificuldades de contato social generalizada, levando uma vida restrita à casa e ao trabalho. Possui poucos amigos e nunca teve uma namorada, apesar de já ter se apaixonado e ter interesse pelo sexo feminino. É freqüentemente acometido de raiva contra as pessoas que por alguma razão o desconfirmam, dizendo que admira o poder que Adolf Hitler tinha para se vingar de quem ele não gostava. Numa das cenas que se repetem sempre em suas associações, tem entre 4 a 5 anos, a mãe está brigando com ele (não se lembra a razão).Ele se tranca no banheiro e, de raiva, morde a cortina de plástico . A mãe o alcança e bate em suas pernas com uma vara de marmelo, até que ele se curve e peça desculpas jurando nunca mais desobedecê-la.  Em outra cena o paciente tem entre 5-6 anos, aceita um brinquedo de um porteiro que cuida de uma obra em frente à sua casa, e acaba sendo manipulado sexualmente. Só mais tarde entende o significado do fato se mortificando de arrependimento e medo de ser menos homem do que os outros meninos.

Pac. D- 35 anos. Mulher, importante executiva de uma multinacional, razoavelmente bonita que, entretanto se queixa de solidão, vazio existencial e problemas de relacionamento social. Costuma ter namorados por pouco tempo e nunca sabe o que acontece para os namoros terminarem, acha que os homens não prestam. Dentro da própria família e no trabalho é tida como encrenqueira, estúpida e se acha profundamente injustiçada por estas críticas, porque “sempre faz tudo para ajudar todo mundo”(sic) .  Uma das cenas recorrentes em suas associações é a despedida dos pais que emigraram para a Europa quando tinha 7 anos . Queria mas não podia chorar porque sua mãe estava muito sensibilizada e choraria também. Comportou-se  como uma pequena adulta “equilibrada” ( sic). Em outra cena , tem 7 ou 8 anos e ouve as confidência íntimas da avó que tem um mau casamento e insiste serem todos os homens mulherengos e desleais.

Pois bem, reparem como estes quatro pacientes sofreram formas variadas de abuso infantil: o Nº 1, assistia seu pai bater na mãe; Pac. nº2- ouviu durante toda a infância que sua mãe não prestava e ela tampouco; o Pac.. 3 apanhava até se dobrar de humilhação, além de ter sido abusado sexualmente;  a pac.nº4- era obrigada a ouvir, sem compreender,  a intimidade afetiva e sexual de sua avó .

Estas quatro pessoas também repetem , cada um a seu modo, o drama infantil: A – bate na esposa; B- tornou-se “a mulher que não presta”; C- é , no seu delírio esquizóide, um Hitler com poderes ilimitados , e que pode manipular a seu ” bel – prazer”  as pessoas; a vida amorosa da pac.D. confirma a opinião da avó “de que nenhum homem presta”( sic).

Na vida adulta as quatro crianças submetidas de outrora,  tornaram-se adultos poderosos que batem, brigam, manipulam e matam ( simbolicamente) pessoas. O que se passou, me pergunto? Porque estas pessoas repetem ativamente aquilo que sofreram passivamente na infância? O que acontece no psiquismo humano e que faz a memória destas cenas ficar tão marcada e não outras lembranças, aonde as mesmas pessoas talvez tivessem sido bondosas e gentis? Porque é tão difícil para o paciente mudar sua conduta, mesmo que ele já tenha compreendido a repetição? Nós,  humanos,  somos como as aves, que fazem imprinting de situações emocionais e corremos o resto da vida atrás de bolas de tênis pensando que são nossas mães?

Por outro lado , quando convido estes pacientes a dramatizarem suas cenas e  começamos a  pesquisar  o locus, o status nascendi e a matriz ( Bustos, 1994: 63-77) * de suas dificuldades atuais, acabo sempre me deparando com um outro conjunto de fatos que me deixam intrigada. Estas cenas ocorrem na primeira infância, em geral antes dos 7 anos de idade. O conteúdo do drama que trazem é, freqüentemente, o de uma criança sendo frustrada e/ou punida por algum desejo , travessura e /ou, uma criança assistindo alguém em casa sendo desrespeitado, violentado por um adulto que exerce e abusa do poder que tem. Existe um  enorme desequilíbrio de forças na cena, e tudo o que a criança pode fazer é ficar passiva, assistindo e se submetendo ao poder do adulto.

A criança percebe que o adulto está sendo injusto ou abusivo, sente raiva, mas nada pode fazer a não ser se submeter. Esta submissão forçada gera, por sua vez,  sentimentos de vergonha, humilhação e inferioridade, que não serão jamais esquecidos, apesar de todos esforços que  fizer para negá-los, disfarçá-los e/ou  modificá-los.

Nestes momentos de tensão a criança decide algo secreto,  como se fosse uma espécie de juramento consigo mesma, e que consiste, basicamente  num pacto de vingança e ou  de resgate da dignidade perdida. Algo como : “—Quando eu  crescer e tiver o poder físico que os adultos têm, não vou nunca mais permitir que façam isso comigo ou com as pessoas que amo “.

Em suma, por trás das dificuldades dos meus clientes adultos, comecei a perceber a existência quase sistemática, de uma criança com seus projetos de vingança e resgate da dignidade perdida, e que, exatamente pela perseverança do projeto infantil, acabava criando as dificuldades adultas atuais.

Feito um disco avariado que gira em falso e entoa sempre a mesma parte da canção, parece existir atrás do drama atual e real das pessoas adultas uma dramática ** interna que repete o drama infantil, só que, freqüentemente com papéis trocados. Quem agora abusa do poder que tem, impinge humilhação e vergonha aos outros é o próprio paciente.

Enfim, nos últimos três anos tenho ido atrás destas respostas. Primeiro comecei a ler exaustivamente a literatura disponível sobre narcisismo, auto-estima, psicologia do ego e finalmente me deparei com uma abordagem americana ( Mellody,P., 1989) que descreve a existência de uma patologia vincular chamada codependência**. Também acabei  tomando contato com estudos sobre personalidades fronteiriças ou borderlines e distúrbios narcísicos de personalidade.

Dentro do psicodrama moderno são as postulações teóricas de José Fonseca ( 1980) sobre a Matriz de Identidade, mais recentemente sobre Distúrbios de Identidade (1995:22), somadas as de Dalmiro Bustos (1994:63-77) sobre o conceito de Clusters e sua ênfase nos três pilares básicos da Filosofia do Momento de Moreno:  Locus, Status Nascendi e Matriz , as setas que guiam o meu entendimento clínico. Quanto à Moreno , além de toda a sua obra , é sua coragem, genialidade e  pioneirismo que estimulam a minha espontaneidade e minha vontade de criar.

As idéias que mostro a seguir falam de como estou , atualmente, compreendendo estas questões.

COMO SURGE UMA CRIANÇA FERIDA DENTRO DE NÓS?

 

Os seres humanos exercem um enorme poder uns sobre os outros,  um poder de vida ou morte. Do ponto de vista fisiológico , os seres humanos se reproduzem de forma muito semelhante a todos os animais mamíferos e, nascem quando saem do útero materno. Do ponto de vista psicológico, entretanto, sua reprodução é totalmente original e peculiar. Psicológicamente o ser humano nasce aos poucos e nem sempre totalmente, dependendo de sua garra pessoal e da sorte de encontrar pais que saibam administrar suas necessidades básicas.

Por necessidades básicas entendendo aquelas das quais depende a sobrevivência física e psicológica da criança, e elas são de duas ordens:

  • FISICAS- o bebê humano nasce extremamente frágil necessitando de cuidados físicos ( alimentação, higiene, saúde, calor, estimulação tátil, etc.) sem os quais morre. O foco é sobre o Quê é feito à criança.
  • EMOCIONAIS- a necessidade emocional básica do ser humano e sem a qual ele não sobrevive Psicológicamente é a necessidade de dependência, de poder contar com o outro. O bebê humano nasce completamente despreparado e só será autônomo, com recursos internos com os quais possa contar, depois de muitos anos ( na classe média de nossa cultura urbana, só após a adolescência). Aqui o que importa não é ter as necessidades físicas atendidas, mas Como isto é feito.

Além disso , a  primeira etapa de nossa vida é pré-verbal e tudo o que ocorre conosco depende da decodificação verbal e emocional que  nossa mãe/ ou cuidador fizer. Sem  alguém que possa espelhar nossas necessidades e emoções não teremos jeito de saber quem somos. Por outro lado a forma como esta pessoa decodifica nossas mensagens acaba constituindo aquilo que somos, e ela o faz de acordo com seu próprio patrimônio de vivências emocionais.

Este primeiro cuidador ou cuidadores funcionam como uma espécie de ponte relacional entre a criança e o mundo e ocupam, num primeiro momento o lugar que o” EU”* da criança ocupará mais tarde.  Nós somos ” NÓS” antes de sermos “EU”, ou seja é o relacional, sobretudo a relação que estabelecemos com os nossos primeiros cuidadores, a pedra inaugural da nossa identidade      ( Erikson,E.,:1976) ** e também refletirá quais serão as nossas expectativas de relacionamento com o mundo .

” A forma como uma criança percorre sua matriz de identidade é um parâmetro de como será sua vida adulta”, diz José Fonseca ( 1995:22) , se referindo não só à relação diádica mãe – filho, mas à resultante emocional de todas as relações envolvidas nesse núcleo, ou seja, a rede de relações familiares, aos fatores biológicos, psicológicos e sócio – culturais. Amor , respeito e confiança ( auto-estima), que um indivíduo sente por si mesmo, espelha por seu turno , como foram suas primeiras relações estruturadoras e prognostica, em última instância, como serão suas relações com o mundo. Portanto é extremamente importante estudar as peculiaridades desta relação de dependência.”

O QUE É E COMO É DEPENDER DOS OUTROS?

 

Depender de outra pessoa significa ter que se sujeitar e submeter à vontade dela. Quem depende é o frágil e impotente na situação,  enquanto o outro pólo é potente e decide se as coisas irão ou não acontecer, e como  e quando serão feitas. Por outro lado , ter pessoas que dependam de nós também não é normalmente uma  situação confortável. Significa ter que abdicar parte do nosso tempo, espaço, conforto, e autonomia para esta pessoa.

Se perguntarmos para nosso conhecidos e para nós mesmos se gostamos de depender dos outros como adultos, é provável que a resposta seja negativa em 90% dos casos, e que as recordações que temos sobre situações de dependência venham mescladas com sentimentos de vergonha e humilhação.

Moreno (1946:296), descrevendo a função do ego auxiliar nas relações interpessoais, destaca que por mais que o ego auxiliar esteja unificado com o  paciente , esta unidade nunca é completa, em virtude das limitações orgânicas e psicológicas. Diz:

A mãe é um ego auxiliar ideal do bebê de quem está grávida. Ainda o é depois de nascer a criança a quem ela alimenta e de quem cuida, mas o distanciamento orgânico e psicológico manifesta-se cada vez mais, depois que o bebê nasceu. A mãe é um exemplo de um ego auxiliar instintivo”.

 

Hoje em dia sabemos que a natureza não dota as mães de paciência excepcional e que nem todas elas sabem por instinto,  como oferecer uma situação de dependência ideal para suas crianças ( Badinter,E.,1980).*** Muito pelo contrário, o que  normalmente encontramos são mães impacientes, cansadas, que buscam atender rapidamente seus filhos para poderem ir trabalhar ou fazerem outras coisas que lhes suscitam o interesse.

Na realidade, a disponibilidade da mãe para o seu bebê vai depender de fatores extremamente complexos  que vão desde a sua infância e a forma como ela mesma viveu a dependência com seus pais, até as peculiaridades atuais de sua  relação com o marido, da situação sócio-econômica e cultural da família, como a sociedade atual valoriza ou não o papel materno, etc.

Nós sabemos pelos estudos de morbi-mortalidade infantil*  quantas crianças sobrevivem até o final do primeiro ano de vida, mas não temos a menor idéia de quantos sobrevivem psicológicamente de forma completa, porque nem temos idéia do que isto quer dizer.

Os nossos pacientes freqüentemente reclamam dos pais contando situações de violência física, psicológica e sexual, além de falta de apoio e informação. Freud ( 1914:1901) primeiramente avalizou estas queixas dos paciente e, num segundo e definitivo momento, negou-as completamente, remetendo à sua fantasia , estes pais abusivos. Outras abordagens acreditam  que culpar os pais represente, na realidade, uma recusa  do paciente em assumir a responsabilidade pelo próprio destino.

Só nos últimos anos, e devido aos conhecimentos advindos das terapias sistêmicas, podemos  começar a vislumbrar a complexa teia das relações intra-familiares, e a  natureza de um  fenômeno  que  poderia ser chamado de ” contágio psicológico” e que significa a passagem de geração a geração, de carências fundamentais nas relações de dependência básica, e que acabam por impregnar toda a capacidade de  relacionamento humano do indivíduo.

O QUE SIGNIFICA, EXATAMENTE, NECESSIDADE DE DEPENDÊNCIA BÁSICA DO SER HUMANO?

Para responder a esta questão, preciso antes descrever, rapidamente quatro características naturais da criança, que fazem dela um autêntico ser humano e que são muito bem resumidas por Bradshaw (1988) :

Ela é valorizável– uma criança não nasce com auto-estima e nem tem noção alguma do seu valor pessoal Ela irá absorvendo este valorde fora para dentro, de acordo com a estima e dedicação que seus pais têm por ela. No início da vida isto pode significar um toque e um olhar especiais ( Kohut, H., 1977)* , presença constante e previsível, espelhamento correto das necessidades físicas, etc. Com o desenvolvimento, este dedicar valor ao outro vai , progressivamente se transformando  em atitudes mais complexas, e que exigem grande maturidade dos pais, tais como, permitir que a criança experimente sua autonomia crescente sem ameaçá-la com a retirada do amor .

Margareth Mahler  (1977)  observando o desenvolvimento infantil passo a passo durante muitos anos, descreve mães que não  conseguem suportar o desligamento gradual do bebê . Elas o despersonificam, desencorajando suas buscas tateantes na direção de um funcionamento independente, em vez de permitir e promover a separação gradual. Outras mães com características simbióticas, de início se agarram aos bebês para depois empurrá-los, precipitadamente para a “autonomia”.

Uma forma extremamente poderosa de pressionar a criança, a fazer o  que os pais querem é dizer-lhes: ” Se você não fizer isto, mamãe e  papai não gostarão mais de você !”  Outra forma, freqüente, de se jogar com este poder de atribuir valor à criança é compará-la com outras crianças, fazendo com que ela se sinta menos que…., ou mais que… alguém.  Ameaçar uma criança com a retirada do amor dos adultos significativos para ela, corresponde a retirar o valor que ela tem, ou , em outras palavras, consiste em dizer que ela não têm um valor intrínseco, mas sim relativo e  dependendo daquilo que ela fizer e de como o fizer.

Penso que uma das tarefas mais difíceis na educação infantil seja colocar limites nos filhos sem, entretanto, chantageá-los com a retirada deste valor intrínseco.

Mesmo porque, a maior parte dos pais foi educada desta mesma forma por seus próprios pais e  considera este jeito de se comunicar com a criança, natural e inofensivo.  Se pensarmos num adolescente freqüentemente ameaçado de perder seu divertimento predileto se não tirar notas altas, veremos como o valor abstrato de outrora, se transforma com o tempo em objetos concretos, bens materiais, dinheiro,  que são dados e retirados , desde que o outro faça isto ou aquilo.

Toda vez que uma criança sente que não tem valor para os pais ela se sente envergonhada  e inferiorizada por isso. O  “Eu “se ama e se respeita quando se percebe amado e respeitado.  Por outro lado , o” Eu ” se odeia quando intui que está sendo rejeitado ou deixado de lado.    Muitos anos de educação sob este sistema de manipulação do outro através da atribuição e retirada de valor , acabam gerando adultos  que , tal qual a Pac.. B,  sobrevivem com um senso  de valor próprio defeituoso . São pessoas que ora se subestimam ora se superestimam, tornando – se ou excessivamente dependentes do outro, sem a autonomia da vida adulta, ou  excessivamente independentes do outro ( do tipo que não precisa de ninguém).

Uma criança é vulnerável, devassável,ou seja, não têm um sistema de defesas (fronteiras) desenvolvido e dependem dos pais para protegê-la. Esta falta de limites entre o “Eu” e o “Outro” faz com que as crianças sejam normalmente  egocêntricas e  se sintam  misturadas  com tudo à sua volta, explicando o mundo baseadas em si mesmas. Ex.:  se meus pais brigam,  a culpa é minha, se eles não ficam comigo deve ser porque eu sou ruim; se eles  trabalham demais e nunca estão comigo é porque eu valho menos do que o trabalho deles.   Os pais têm uma dupla e árdua tarefa que é reconhecer e respeitar o direito que os filhos têm de serem donos de seus próprios corpos, pensamentos, sentimentos e comportamento e, ao mesmo tempo, guiá-los em direção a uma percepção mais realista e funcional do mundo, limitando seu egocentrismo.

A frustração gradual de algumas necessidades da criança, faz com que ela perceba que o outro não é parte intrínseca dela.  Por outro lado, toda vez que fica frustrada a criança responde com irritação, birra e desagrado. Isto é normal e os pais precisam aceitar estes impulsos agressivos , sem se deixarem pessoalmente destruir por eles. A expressão da emoção é uma necessidade fisiológica do organismo em busca de uma homeostase que foi perdida. Se a emoção não é expressa ela retroflete, voltando-se para o EU da criança. Assim a raiva, por exemplo,  que não pode ser dita acaba  se voltando para o próprio Eu e gerando sintomas e atitudes destrutivas.

Alguns pais não toleram os impulsos e as emoções das crianças. Na realidade, quando as emoções são muito fortes, os adultos temem perder o controle da criança e tratam de limitá-la. Ninguém agüenta uma criança furiosa, ou mesmo uma criança excessivamente feliz. Elas fazem muito barulho, ficam muito excitadas e nos perturbam. Muitos pais punem de forma exagerada  ( Pac. . C) , ou com a ameaça de retirada do amor, como vimos antes.

Freqüentemente encontramos pacientes que desde cedo desistiram de contrariar os pais e,  começaram a querer agradá-los, cuidando para que eles não ficassem  excessivamente irritados, ou deprimidos  (pac.D.).  Há uma inversão de dependências, a criança fica com o poder de definir a situação e aprende que é do humor dela que depende o dos pais , e não vice-versa.  Estas são as crianças boazinhas, as auxiliares dos pais , que põe a sua sensibilidade e empatia a serviço dos demais e, segundo , Alice Miller (1979) aquelas que tem boa chance de se tornarem a psicoterapeutas um dia.

A independência dos pais e o fato deles próprios terem limites bem estabelecidos auxiliam a criança a se separar dos pais e ter uma representação interna adequada de si e do outro. Quando isto não ocorre , possivelmente sobrevive um adulto que ou não sabe se proteger adequadamente nos relacionamentos ou não consegue ele mesmo se conter, para não ser ofensivo aos demais ( pac.A). Ainda é possível pensarmos no tipo oscilante que ora se apresenta extremamente invulnerável , ora mostra uma  vulnerabilidade extrema.

Crianças são imaturas, imperfeitas – elas são descoordenadas, deixam cair coisas, quebram objetos, caem, se sujam, fazem barulho, colocam o dedo no nariz, brigam no carro atrapalhando os pais que dirigem, pedem para ir no banheiro nos momentos mais complicados, etc. Enfim crianças agem como criançaspois além da falta de coordenação, motora, elas carecem de falta de conhecimento sobre seus limites, como agir diante de dificuldades, etc.

Em muitas famílias disfuncionais , aonde os adultos se colocam como deuses que administram a perfeição ( nunca erram e se o fazem jamais admitem ou pedem desculpas)  as crianças são punidas severamente e envergonhadas por cometerem erros normais. Espera-se que a ela seja mais adulta do que é, como se tivesse nascido com uma manual de informações sobre a vida. ( Pac.A)

Eu tenho uma paciente que se lembra de horas e horas de medo dentro de um quarto escuro, mas não é capaz de lembrar qual foi a coisa errada que cometeu, portanto , seja lá o que a mãe queria lhe ensinar com o castigo, este aprendizado não ocorreu. Sob medo, vergonha , sensação de inferioridade e desvalia o único aprendizado que pode ser introjetado é o de que não valemos nada enquanto seres humanos ( Pac .A,B,C,).

Muitas informações são necessárias para que uma criança entenda como é a vida, e ela aprende  por ensaio e erro, e/ou através daquilo que os adultos ensinam , mas e sobretudo, através de como os adultos agem eles mesmos. Sabemos hoje que crianças criadas com excessiva intransigência  costumam se amoldar à expectativa tornando-se, mais tarde, adultos perfeccionistas e controladores ; poderão também tornar-se adultos profundamente inseguros , que sofrem demasiadamente quando erram e que tem medo de avaliações ; ou ainda poderão se rebelar, recusando-se a cooperar e até trabalhando para serem o contrário daquilo que lhe pedem. Estes são os rebeldes e as crianças ruins  e problemáticas da casa.

Costumo dizer aos meus pacientes, brincando: -“Faça o que você  está querendo, mesmo que sua mãe concorde!”, aludindo a este mecanismo de ir contra , pois o que percebo é que muitos adultos não seguem nem mesmo as normas que eles colocam para si , sendo incapazes de qualquer disciplina.

Uma outra forma inadequada de lidar com a imperfeição infantil é ignorá-la, fazendo com que as crianças acabem nunca aprendendo que seu comportamento aborrece ou perturba outras pessoas. Assim também se criam pessoas que serão consideradas inoportunas e chatas pela sociedade, simplesmente porque não têm consciência de que seu comportamento é abusivo e perturba o outro.

Finalmente penso que um dos aprendizados mais preciosos  que se pode dar às crianças seja mostrar que, de vez em quando, todos, inclusive seus pais, cometem enganos e que, quase sempre, existe possibilidade de reparação do erro, ou no mínimo, de um pedido de desculpas.

O pensamento da criança é  concreto e radical – a criança não discrimina nuâncias entre as qualidades das pessoas e objetos. Sua concretude de pensamento faz com que ela pense de forma polarizada e extremada: ou é bom ou ruim, é tudo ou nada, agora ou nunca, etc. Os guestalterapeutas (Perls, F.,1973 :46-48) descrevem outra peculiaridade da mente infantil que é a de assimilar introjetos, pedaços inteiros de idéias , como se não mastigasse ao engolir. Piaget ( 1926: 54-74), por seu turno,  nos mostra que só a partir de 8 anos as crianças começam a poder entender experiências separadas e assimilar diferenças. As crianças muito pequenas acham que aquilo que se diz delas, é elas, por isso se incomodam tanto com as gozações.

Pois bem, diante destas quatro características da criança normal: valorabilidade, vulnerabilidade,  imperfeição e pensamento radical , podemos inferir o que significa necessidade de dependência básica do ser humano. Significa poder contar com pais que :

1- façam ela se sentir preciosa , importante e providenciem o que necessita enquanto não for autônoma.

2- dediquem tempo e atenção para poder ajudá-la a definir seus próprios limites e a obter as informações que precisa para lidar com a realidade e com suas próprias necessidades;

3-permitam que a criança expresse seus impulsos agressivos e hostis sem se destruírem e sem destruírem a auto-estima da criança; ao mesmo tempo também se permitam a expressão de reações agressivas e hostis, respeitando a assimetria intrínseca do vínculo.

5-permitam que a criança seja criança , depois que ela cresça e ganhe autonomia;

6-sejam pessoas coerentes, consistentes, previsíveis que ensinem e ajam da mesma forma;

7- sejam seres falíveis, que admitam seus erros e peça desculpas.

Sei que vocês devem estar achando que sou extremamente exigente , que estes pais ideais são tudo  menos humanos e que ¼ das características descritas já são suficientes para uma criança crescer razoavelmente normal. Concordo com esta observação, mas tenho percebido que a cada desconto que se dá aos pais, se conta um ponto numa lista enorme de abusos infantis, e que crianças submetidas a qualquer tipo de abuso ou negligência destas necessidades básicas de dependência, crescem apenas na aparência física e social, emocionalmente continuam de alguma forma, humilhadas, órfãs e  envergonhadas toxicamente, reivindicando aquilo que não tiveram, tentando, a qualquer preço reparar sua auto-estima, sua dignidade, seu narcisismo ferido.

ABUSO INFANTIL – NÃO É UM EXAGERO CHAMAR FATOS TÃO CORRIQUEIROS DE ABUSO?

Os estudos ( Kreisman, J., 1989; Bradshaw, A ., 1988;1990) sobre personalidade narcísicas borderlines e codependência ampliam o conceito de abuso infantil, outrora quase limitado a eventos extremos, tais como abuso sexual. Atualmente considera-se que os pais abusam da criança toda a vez que não respeitam a hierarquia da relação pais-filhos, ou seja,  sempre que não protegem a criança e não a ajudam a se desenvolver.

O vínculo pais-filho, pressupõe uma hierarquia na qual duas pessoas adultas, resolvem ter uma criança pela qual serão responsáveis até crescer. Existe uma legislação que rege esta relação, atualmente sendo revista nos EUA. Quero rapidamente listar algumas formas de abuso infantil:

  • ABUSO SEXUAL- é o abuso que mais envergonha, é mais freqüente do que se imagina e  envolve a família inteira. Envolve não só o fato de um ou ambos os pais obrigarem a criança a manter relações sexuais físicas com ele(s), mas também formas sutis de ultraje, tais como:
  • Intimidar sexualmente – criar situações aonde acriança vê ou ouve coisas que não quer , não pode entender, ou que a envergonham.  É o caso de crianças que por “descuido” dos pais , ouvem ou observam suas relações sexuais, ou ainda o caso de adultos voyeristas e/ou exibicionistas que observam sexualmente os filhos e/ou se desnudam de forma sexual para as crianças admirarem . Pia Mellody ( 1989), acredita que ocorre abuso sexual toda a vez que um pai tem um relacionamento com um de seus filhos que é mais importante do que o relacionamento que ele tem com o cônjuge. Ela alude ao fato de que crianças precisam de pais, não de maridos, esposas ou admiradores, e ao fato de que muitos adultos deixam claro que admiram os corpos de seus filhos, que adorariam ter uma outra idade para poder namorá-los, ou que eles são melhores, mais bonitos, espertos ou capazes que o cônjuge.
  • Cuidados físicos , por exemplo o uso de enemas, dar banho em crianças mais velhas, podem ser uma forma de abuso sexual disfarçado. Tive uma paciente que secava a vagina da filha para evitar assaduras até a menina ter 10 anos, e só parou de fazê-lo depois da terapia.
  • Ausência de informação sexual adequada à idade, por exemplo, não falar a uma menina que ela irá menstruar , dizerque a masturbação causa lesões físicas, etc. As crianças , sobretudo as muito pequenas, nem sempre sabem quando os adultos têm uma intenção sexual. Mas invariavelmente acabam descobrindo e se sentindo envergonhadas, lesadas em sua auto-estima e ,por não conhecerem bem o fenômeno sexual e terem um pensamento radical , imaginam conseqüências terríveis para seu futuro, passando a se sentir fadadas a um destino trágico dali para a frente.
  • ABUSO FISICO- Qualquer tipo de punição física – bater, espancar, puxar cabelos, beliscar, trancar no quarto escuro, etc – à criança ou a alguém da família tendo a criança como observadora. Kreisman, J. (1989) mostra que pais que batem em seus filhos apanharam eles mesmos enquanto crianças.( Pac.A e C)
  • ABUSO EMOCIONAL– resulta de uma confusão de fronteiras dentro da família e a uma reversão da ordem da natureza: são as crianças que cuidam de seus pais e não o contrário. Não é só o caso de filhos de alcoólatras, depressivos graves, etc, mas ocorre na maior parte das famílias  ditas “normais”. Uma ou mais crianças da família são  especialmente estimuladas para serem as auxiliares da mamãe ou do papai, muitas vezes porque este adulto que pede ajuda é , ele mesmo, frágil e não consegue se defender de alguma situação abusiva intra-familiar. A  criança assume este papel especial não porque realmente queira mas  para ajudar os pais de quem depende e/ou  para assegurar o seu amor que pode ser perdido se contrariá-los , enfim para evitar a solidão e o abandono. Paradoxalmente, esta criança eficientemente adulta, acaba possuindo  dentro de si uma criança abandonada e magoada, pois  enquanto cuidava tão bem dos pais, suas próprias necessidades infantis não foram satisfeitas nem respeitadas. ( Pac.C) . Outra forma de abuso emocional é desrespeitar a  vontade da criança, impondo-lhe o desejo dos pais e não levando o dela em consideração. Por exemplo, fazer a criança comer o que não quer, vestir a roupa que odeia, etc.

Para concluir, uma criança que não tem suas necessidades  de dependência respeitadas e satisfeitas sofre um grave dano em sua identidade básica, passa a desacreditar das próprias necessidades, julgando-as ilegítimas e o próprio desejo fica significado como vergonhoso. Seu egocentrismo infantil somado ao fato de precisar  manter a idealização dos adultos de quem depende para sobreviver,  faz com que ela,  freqüentemente,  se atribua alguma culpa pela atitude dos pais, do tipo:    ” Eu é que sou ruim!  Fui má! Sou burra! Tenho algum defeito grave, etc”. Esta atribuição acaba, com o tempo, virando um traço da identidade da pessoa.

Uma vez que o abuso é um tópico de segredo na família , a criança julga que é a única do mundo que vive aquela situação, portanto ela, realmente deve valer menos do que as outras crianças.  Nestas circunstâncias também, a criança fica, completamente abandonada, órfã e solitária, porque na hora em que o abuso ou negligência  acontece, não há ninguém para defendê-la. Conclui daí que jamais haverá alguém com quem possa contar, pois se seus próprios pais não foram confiáveis, quem mais o será?

 

COMO SOBREVIVEMOS ENTÃO?

Em todas as formas de abuso os adultos ou extrapolam  seus poderes sobre a criança, empreendendo ações violentadoras contra ela ou se des- responsabilizam de  cuidá-la e protegê-la.

Freud (1905: 2508-2541)  foi quem primeiramente descobriu que existem processos automáticos usados pelo ego para se auto – preservar cada vez que sofre um choque severo, mas foi Anna Freud ( 1973)  em  “Ego e seus Mecanismos de Defesa” quem definitivamente introduziu a questão das defesas do psiquismo no nosso pensamento clínico contemporâneo. Estas defesas  são formas que a natureza humana tem de proteger o psiquismo da criança de situações realmente intoleráveis, até que ela tenha fronteiras egóicas melhor definidas, e saiba separar o que é seu daquilo que é do outro.  Citarei apenas alguns destes mecanismos: negação, repressão, dissociação, des- personalização, identificação com o agressor, conversão, etc.

Na realidade o “EU” ultrajado da criança não escolhe um ou outro destes mecanismos para se defender. Ele usa vários deles alternadamente ou ao mesmo tempo, para formar um sistema de defesa, o mais eficiente possível e que Winnicot (1982) brilhantemente definiu como o sistema do Falso Self.

FALSO SELF – NOSSO ADULTO BEM SUCEDIDO

Nesta tentativa desesperada de esconder de si mesma a realidade do abandono e desvalia em que vive, a criança nega ou substitui  suas próprias emoções, criando uma forma alternativa de ser, que supõe ser melhor valorizada  pelas pessoas com quem vive e que não tenha aquelas características vergonhosas e defeituosas de antes. Este ser superior rejeita o verdadeiro, freqüentemente de forma tão ou mais cruel que os pais da criança. este é o sistema do falso self que possui as seguintes características:

  • é sempre mais que humano ou menos que humano, perfeccionista ou estúpido, vítima, herói da família ou bode-espiatório, etc. Isto porque  as emoções que a defesa vem suprimir  são emoções humanas. Sem elas a pessoa se torna algo irreal, como um personagem de livro, por exemplo. Os papéis jogados são , em geral, complementares patológicos que  a família necessita . Há sempre critérios polares envolvidos, critérios que seguem a forma radical e absolutista da criança pensar.
  • A vergonha e o desamparo infantis são as  motivações básicas para a criação de qualquer uma destas polaridades.
  • Tão logo ele se estruture, o verdadeiro selfcomeça a ser soterrado , esquecido. Com o tempo a pessoa perde a consciência de quem realmente era, bem como a lembrança e que criou um personagem para si mesma.
  • A função do falso self é dupla: enquanto protege a criança abusada e negligenciada, tenta, ao mesmo tempo, conseguirsatisfação para algumas daquelas necessidades negligenciadas, que a própria criança tratou de negar.  Por exemplo, uma criança pode obter atenção se machucando, ficando doente, não comendo, ou sendo a melhor aluna da classe.
  • As  partes reprimidas e negadas do ego  são projetadas nos relacionamentos e constituem a base de muitos ódios e preconceitos. Estas partes projetadas podem ser experimentadas como uma cisão de personalidade ou personalidades múltiplas ( comum em casos de  violência física e sexual), gerando uma sensação de irrealidade, de depressão crônica , pela perda de uma parte de si.
  • Acompanha o falso self também , um sistema deauto-observação e vigilância constantes, porque é preciso cuidar  para que as partes rejeitadas não apareçam e nos façam sentir vergonha e inferioridade. Trata-se de uma autoconsciência tortuosa, que tem um efeito paralisador internamente.

ASPECTO MULTIGERACIONAL-CONTÁGIO PSICOLÓGICO

 

Os pais freqüentemente justificam suas atitudes em relação aos filhos dizendo que estão fazendo o melhor que podem por eles e que acreditam ser esta a melhor forma de educá-los. Sinceramente não acho que todos os pais estejam mentindo, talvez alguns sim, mas não todos.

De fato sabemos hoje que a interpretação daquilo que vem a ser educação infantil, depende menos de normas que os psicólogos ou educadores estabelecem como saudáveis e desejáveis, e mais da estrutura emocional dos pais e do jeito como eles próprios foram educados.

Este é o fenômeno que chamei de “Contágio Psicológico” , Freud chamava de ” Compulsão à Repetição” ( 1905:2508-2541) . É  um processo complexo, inconsciente, aonde ainda como adultos, buscamos a satisfação das nossas necessidades infantis e o resgate de nossa dignidade ferida.

Nossos filhos e suas atitudes infantis são sentidos, por nossas crianças internas feridas como os algozes que nos submetem e obrigam a fazer coisas que não queremos. Por isso nós os punimos.  Enquanto crianças não podíamos nos defender ou melhor podíamos, mas com táticas infantis de defesa *. São estas táticas aliás , ineficientes contra os adultos que nos violentaram, que repetimos contra nossas crianças, perpetuando multigeracionalmente  e intrafamiliarmente estas características abusivas.**

Este é o disco quebrado que roda sempre no mesmo lugar. Alguém tem que ir lá e cuidadosamente tirar a agulha da parte riscada, mostrar ao paciente que aquele dano pode talvez até ter algum reparo, ser remendado ou coberto, mas não pode deixar de existir. Por outro lado o futuro está cheio de discos que potencialmente ainda podem ser tocados  se a agulha for tirada a tempo e não se danificar.

COMO O PSICODRAMA PODE AJUDAR ESTAS CRIANÇAS-FANTASMAS SOTERRADAS DENTRO DE NÓS, E PREVENIR QUE CONTAMINEMOS COM NOSSO RESSENTIMENTO , AS PESSOAS QUE NOS SÃO MAIS CARAS E ÍNTIMAS?

O psicodrama tem representado, para a minha vida,  a melhor assistência técnica para discos rasurados que jamais obtive em lugar algum.

Acredito que o psiquismo humano se  estruture em torno de uma economia narcísica  , ou seja , desde o dia que nascemos  até provavelmente a nossa morte, buscaremos determinar quem somos e qual é o “nosso valor” para os outros e para nós mesmos; nossos critérios de valor se modificam  ou não com o passar do tempo, mas seremos sempre pessoas que buscam seu valor.

Esta é, para mim, a parte intangível do eu  a que está aquém do papel, e não tenho a mesma certeza que Moreno** ( 1992:185) sobre qual das duas partes surge antes e cria a outra.  Acho que esta busca de valor intrínseco é parte da natureza humana, mas disto falarei em outro momento.

O drama da criança ferida que muitos de nós mantêm dentro de si, fala de um momento na vida, no qual nosso narcisismo foi fragilizado e nosso psiquismo se mobilizou  então, com toda a sua espontaneidade, para reparar o dano cometido. Criamos um antibiótico específico para o mal que nos acometia e o conservamos, feito pedra preciosa, pensando em usá-lo cada vez que outra ameaça à nossa auto-estima aparecesse pelo caminho.

Só que como toda a conserva, o antibiótico perdeu sua validade e alguém precisa convencer nossa criança machucada que seu remédio está velho e que ela tem que jogá-lo fora. Na realidade ela já sabe disso, por isso buscou a terapia, só que não conhece ou não sabe utilizar outros remédios, então usa o velho mesmo. Falar apenas não adianta.

Penso que não há nada mais sedutor para uma criança, mesmo uma criança doente e deprimida, do que lhe dar um brinquedo novo ou propor-lhe uma brincadeira inusitada. Sei disso porque trabalhei*** numa enfermaria de crianças com doenças terminais durante algum tempo, e elas brincavam comigo. O “como se” do jogo descentra nossa identidade básica e, por algum tempo, podemos esquecer quem somos, quais são nossas dores , quais injúrias sofremos e como temos que nos prevenir para que elas não mais aconteçam.

Além disso no jogo posso ser quem eu quiser, de um princesa florida a um Hitler raivoso. Seja lá quem eu escolher ser, fato é que, por alguns segundos, deixo de ser eu mesma.

Para mim, uma das grandes forças terapêuticas do psicodrama reside exatamente em, através de um aquecimento elaborado, propor técnicas que descomprometam o sujeito de sua identidade básica, permitindo que ele veja além dos seus próprios olhos cegos por seus remédios infantis. No papel do outro posso ver e falar coisas de mim que no meu próprio eu não poderia. Além disso “o como se” dá concretude a situações , afetos e personalidades, que de outra forma seriam meras idéias abstratas, sem corporeidade suficiente para envolver ninguém. Por exemplo , através do psicodrama podemos caracterizar e concretizar a criança interna, conversar com ela, trocar de papel, etc.

Através da dramatização em cena aberta ou do psicodrama interno,  utilizando todas as técnicas clássicas e seguindo a cadeia transferencial de associações do paciente ( Perazzo, S., 1987) *, tenho achado relativamente fácil trazer à tona esta dramática infantil. Minha experiência tem me mostrado que a terapia propriamente dita só se inicia, quando esta criança passa a ser  repetidamente identificada pelo paciente e quando ele começa  a  levá-la a sério. Ele deixa então de culpar os outros pelos seus problemas e começa a assumir a responsabilidade por suas dificuldades.

No palco , o drama que começa a ser montado já não é tão freqüentemente entre o paciente e seu átomo – social, mas dele com partes suas, personagens fragmentados, portadores cada um, de uma parte de seu sistema de defesa infantil.

Meu maior problema atualmente  é auxiliar o paciente a fazer acordos com sua criança interna magoada, pois como toda a criança, esta é teimosa, birrenta e não negocia enquanto não receber o que quer. Só que  ninguém pode lhe dar exatamente aquilo que ela quer, o passado não volta. O paciente adulto tem que, a duras penas, e feito um pai tolerante e persistente,  auxiliar suas partes infantis a lidar com a frustração, fazer acordos, raciocinar de forma menos extremadas e expressar seu desagrado de um jeito não furioso. Isto é o que entendo por re-matrizar, e o que para mim Moreno (1992:153)  quer dizer quando define espontaneidade como  “força propulsora do indivíduo em direção à resposta adequada à nova situação ou à resposta nova para a situação já conhecida”.

Tenho inventado jogos, formas de confronto adulto – criança, pedido ao paciente escrever cartas para sua criança interna, estimulado jogos de papéis , criação de metáforas, assimilo técnicas de outras abordagens, em psicoterapia de grupo proponho encontros entre todas as crianças magoadas dos pacientes…., enfim,  adoro buscar formas novas de ajudar os pessoas nesta tarefa.

Porém o que definitivamente sei que funciona é oferecer, através da relação paciente-terapeuta , o respeito e aceitação,  a constância e o  compromisso , além   da capacidade de emoção do terapeuta para com o drama real do paciente. Estas são poções mágicas  e Moreno era mestre nelas. É neste encontro existencial que sou 100% moreniana.

Zerca Moreno ( Cukier, R., 1994) quando esteve entre nós o ano passado, começou a sua fala dizendo que dentro de todos nós habitava uma criança ferida e que considerava uma questão profilática e de saúde pública a criação, urgente, de escolas para pais.

Exultei ao ouvi-la e pensei comigo mesma:” será que Moreno concordaria com isto , se estivesse vivo ?

Nunca vou ter esta resposta, mas sim saberei o que vocês, que representam para mim o movimento psicodramático moderno pensam. Aguardo então a sua resposta.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Badinter, E. (1980)- Um Amor Conquistado– O Mito do Amor Materno, Editora Nova Fronteira.

Bradshaw, John (1988) – Healing the Shame That Binds You- Health Comunications, Inc, Flórida,

Bradshaw, John (1992)- Homecoming , Bantan Book, N.ew York.

Bustos, Dalmiro M. (1994) – Wings and roots-in Psicodrama since Moreno, by Paul Holmes and Marcia Karp and Michael Watson -Routledge..No Brasil publicado por leituras 2-Companhia do Teatro Espontâneo.

Cukier, R. (1994 ) “E a Zerca veio…”, Fascículo II da Revista Brasileira de Psicodrama..

Erikson, E.(1976)- Infância e Sociedade ,Zahar Editores, R.J.

Fonseca, José F. (1980)- Psicodrama da Loucura, 3º edição, São Paulo, Ágora.

Fonseca, José F.( 1995) – Diagnóstico da Personalidade e Distúrbios de Identidade – em Revista Brasileira de Psicodrama,vol.3 , Fascículo 1.

Freud,S.(1914) – História do Movimento Psicanalític, in Obras Completas , Madrid, Biblioteca Nueva, 1973.

Freud,S (1905) – “Mais Além do princípio do Prazer” in Obras Completas,Madrid, Biblioteca Nueva, 1973.

Freud,S. (1915)- “Os instintos e seus destinos” in Obras Completas, Madrid, Biblioteca Nueva, 1973.

Freud ,A. (1946) – “O Ego e seus mecanismos de defesa”, Editora Civilização Brasileira, R.J.,9º edição.

Golding, M.- Doces Lembranças de Amor – A História da Terapia da Redecisão – Editora Gente, 1995.

Kreisman, JJerold and Strauss,H. (1989)- I hate you don’t live me- Understanding the Borderline Personality,  Avon Books, New York.

Kohut,H. (1977) -Self e Narcisismo, Zahar Editores, RJ.

Mahler, M. (1977)- O nascimento Psicológico Humano, Zahar Editores.

Mellody , P. (1989) – Facing Codependence, Harper & Row, Publishers, San Francisco .

Miller, Alice(1997) – O drama da criança bem dotada, Editora Summus,

Moreno, J.L. ( 1946) – Psicodrama – , Editora Cultrix .

Moreno J.L. ( 1992)- Quem sobreviverá ? : fundamentos da sociometria, psicoterapia de grupo e sociodrama, Dimensão Editora,Goiânia.

Perls, Fritz ( 1973) – A Abordagem Guestáltica e Testemunha Ocular da Terapia, Editora Guanabara, segunda edição, R.J.

Perazzo,S. (1987)- Percurso Transferencial e Reparação, Revista Temas, ano XVII, nº 32—33.

* O brilho do olhar materno , segundo Kohut

* O que chamo de táticas infantis de defesa, são todas as descritas por Freud e Ana Freud, além do sistema de Falso Self de Winnicot, vistos pela ótica de uma criança , com as características infantis que descrevi acima.

** Na realidade comportamentos abusivos, autoritários , desconfirmadores, ocorrem em todos os contextos da nossa vida. Eles não são apenas multigeracionais, mas, também, intergeracionais. Moreno ( 1992, pp. 225 )  usa o conceito de proletariado sociométrico para falar dos grupos isolados , negligenciados e rejeitados, cujos sentimentos não encontram reciprocidade. Nós, os humanos, somos especialistas na criação destes ” proletariados sociométricos” , por isso , por exemplo, temos tanto medo de apresentar nossas idéias em congressos.

**O surgimento do papel é anterior ao surgimento do eu. Os papéis não surgem do eu; este pode porém surgir dos papéis”.

*** Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo, na enfermaria do 4º andar.

*  Acho extremamente interessante a conceito que Sergio Perazzo desenvolve sobre elos associativos e  cadeia ou percurso transferencial. Eles me ajudam a  organizar a  dramatização.